Livros infantojuvenis sobre Jacareí

Ana Luiza do Patrocínio

Historiadora e doutoranda em Educação pela Universidade Federal São Paulo – Unifesp

 

Dando continuidade às resenhas sobre os livros da história de Jacareí, veremos dois livros infantojuvenis sobre a cidade.

O gênero é muito importante como porta de entrada tanto para a literatura quanto para a própria história.

Por ordem cronológica, a primeira publicação é “O que se conta daqui…” de Érica Turci e Tatiana Baruel.

Érica Turci é bacharel em História pela Universidade de São Paulo com licenciatura na mesma matéria pelo Centro Universitário Claretiano. É professora de História do Fundamental II do Colégio Poliedro desde 2004, fazendo parte também do Sistema Poliedro como escritora de material didático. Presta serviços como parecerista e editoralista na área de História e publicou dois livros.

Tatiane Baruel é formada em Rádio e TV pela Universidade Paulista, fez pós graduação em “Planejamento e Gestão Estratégica de Pessoas” na Uninter e os cursos de Programação Neurolinguística, Assistente de Direção e Direção de Cinema. É roteirista e produtora.

O livro foi publicado em 2006, fruto de um projeto literário contemplado pela Lei de Incentivo de Cultura (LIC).

A obra reúne várias histórias sobre a cidade que foram contadas em forma de “causo”. São 16 capítulos ou histórias, mais um prefácio e a bibliografia.

As autoras partem de acontecimentos ou personagens históricos que são contados sob a forma de deliciosas narrativas com ares ficcionais, como foi o caso da lenda da cobra grande, as façanhas do Gomes Leitão, a chegada do trem, a inauguração da luz elétrica e o colégio Nogueira da Gama.

O segundo livro do mesmo gênero e temática é “Encantos e Malassombras de Jacarehy” foi escrito por muitas e belas mãos: Elton Rivas, Érica Turci, Maristela Lemes e Tatiana Baruel.

Elton Rivas é formado em Comunicação Social e Jornalismo pela Universidade Brás Cubas, com Doutorado em Semiótica pela PUC-SP, mestre em Estudos de Linguagem, especialista em Cinema e Audiovisual. Lecionou em diversas universidades. Realiza trabalhos em audiovisual (roteiro e direção) e é funcionário concursado da TV Câmara.

Maristela Lemes, professora, foi autora e revisora dos textos.

Ele foi publicado em 2010, como parte de um projeto mais amplo contemplado pela Lei de Incentivo da Cultura (LIC).

Em verdade, o projeto compunha-se de um blog existente até hoje (não atualizado) e uma peça de teatro, que foi adaptado do livro e projeto do mesmo nome.

Tem como protagonistas a parteira Tiana e o benzedeiro Quinzinho que vão contando no decorrer da obra vários “causos” de Jacareí, de Santa Branca e da região valeparaibana. No final, há um receituário para várias doenças e situações e um glossário de termo regionais.

O livro em si se constitui em 11 contos ou capítulos, prefácio, introdução, glossário e bibliografia.

A obra fala de várias lendas, como a procissão das almas, o corpo seco, etc. Portanto, com uma narrativa mais baseada em lendas e causos da cidade do que em fatos históricos.

A obra é fartamente ilustrada, de forma agradável e convidativa. É indicado para todos que gostam de uma boa história sobre Jacareí. Em especial, os adolescentes que estão se iniciando na leitura. O livro abre portas para novos e surpreendentes caminhos de aprofundamento.

Por serem obras financiadas pela LIC, ambas foram distribuídas em todas as escolas e bibliotecas municipais para serem trabalhadas pelos professores.

Pelo seu texto e pelas ilustrações, os dois livros são indicados ao público infantojuvenil, servindo como porta de entrada para os leitores iniciantes na deliciosa história de nossa cidade. Mas é dedicado a todos que amam Jacareí.