Em Busca da Liberdade

Ana Luiza do Patrocínio

Historiadora e doutoranda em Educação pela Universidade Federal São Paulo – Unifesp

 

Andressa Capucci é mestre em História Social pela Universidade de São Paulo com a Dissertação intitulada “Ninguém quis prescindir da glória de ter tomado parte na façanha”: abolicionismo em Jacareí na década de 1880”, que trata sobre as atividades dos vários abolicionistas da cidade nos anos imediatos que antecederam a assinatura da Lei Áurea.

Bacharel em História e licenciada em Geografia pela Univap, possui também pós Graduação em “Gestão de Aprendizagem” pela Universidade Brás Cubas. É docente desde 2006, como professora de História e Geografia no Ensino Fundamental II e Ensino Médio. Como pesquisadora de História Regional, publicou o livro Infantojuvenil “Em busca da liberdade”, fruto de uma cuidadosa pesquisa nos processos judiciais custodiados do Arquivo Público de Jacareí.

Daquelas quase 20.000 pastas, emergiram cinco histórias que fazem parte deste livro, que foi desenvolvido pelas autoras Andressa Capucci e Tatiana Baruel, e ilustradas por Juliano Mazzuchini, sob o patrocínio da Lei de Incentivo da Cultura de Jacareí (LIC).

A liga que une todas essas histórias, que foram pinçadas em meio a tantas é, como o leitor pode imaginar, a busca pela liberdade num mundo definido pela escravidão. O que é ser escravo, o que é ser livre, num mundo onde essa linha era tão tênue como a Jacareí do século XIX. E o que é tentar fazer essa transição nesse mundo marcado de preconceito.

A obra contem cinco histórias romanceadas, isto é, cinco histórias retiradas dos processos judiciários, mas que foram remontadas como contos, tendo uma redação mais agradável, sem, no entanto, perder a sua essência e as informações primordiais.

A primeira história é a do violeiro Júlio que se meteu numa confusão ao ir tocar numa festa na roça.

A segunda é um intricado plano para uma série de assaltos a várias casas  que deu certo por algum tempo e envolveu inúmeros escravizados, outros já alforriados, estimulados por comerciantes inescrupulosos.

A terceira conta as várias tentativas de fuga dos cativos Joaquim e Jesuíno, que desejavam chegar a cidade de Santos. E as várias vezes que foram recapturados.

A quarta história é um romance quase improvável de dois escravos que lutaram juntos por sua liberdade.

A quinta e última história, na verdade, consiste num apanhado de várias trajetórias individuais que tem em comum os anos que imediatamente precederam a assinatura da Abolição. Histórias de luta pela liberdade e pela dignidade.

Para além dos textos, é digno de destaque a bonita ilustração das personagens cuja técnica de desenho a carvão faz um lindo contraste em vermelho e negro, remetendo-se aos tempos antigos e à época mais rústica.

“Em busca da liberdade” é uma obra que serve tanto para reflexão quanto como porta de entrada para leituras mais densas sobre as condições de vida dos escravizados no século XIX.

Por esse motivo, não se espere muitas informações e descrições. As limitações da obra são ditadas pelo público a que é destinada, uma faixa etária mais jovem que merece e precisa de uma literatura mais leve, mas nem por isso menos crítica e que a leve, pela curiosidade, a ler livros e consumir obras mais profundas, como filmes e documentários, e a refletir sobre a importância da liberdade e de sua própria concepção.